0

Andou!

Eu pensei que quando o dia chegasse eu teria um livro para falar. Mas, eu só quero contar para vocês que ele ANDOU! ANDOUUUUUU.

24 de setembro de 2015. Aos 2 anos 11 meses e 10 dias, Pedro deu seus primeiros passos sem auxílio. Eu filmei, eu festejei, eu gritei, eu chorei e agradeci. Agradeci muito.

Primeiro agradeci à Deus por mais uma prova de amor e por sua infinita sabedoria. Depois fechei os olhos que estavam gordos de lágrimas e me joguei no sofá. Um misto de alegria e perplexidade me deixaram sem palavras.

Depois abri os olhos e fiquei olhando aquela carinha que é tão amada por mim e que continuou a brincar no ipad como se o seu ato tivesse sido corriqueiro. Aquele rostinho redondo, de boquinha bem-feita e cílios compridos ficou brincando enquanto eu sentia a serenidade e a alegria que só a gratidão nos proporciona.

E como se não bastasse a gratidão, eu senti orgulho. Orgulho por ter a oportunidade de conviver com o Pedro: um ser tão iluminado e persistente que, desde os primeiros momentos de vida, me surpreende e me ensina sobre amor, esperança, resiliência e doação. Orgulho dele. Orgulho da nossa parceria de vida.

Obrigada, Pedro! E parabéns, filho. O mundo é grande e lindo e você tem muito para andar.

Anúncios
0

Licença poética egocêntrica

Versão do Pedro:

“….e a agulha da injeção era a pena de um p…”

“…Pedro!”

(pausa para risos)

“…e agulha da injeção era a pena de um pa…”

“…papai!”

(pausa para risos escrachados e desistência da mãe)

Versão original:

” (…)

O doutor era o peru( glu-glu)

a enfermeira era um urubu(uh-uh)

e a agulha da injeção

era a pena do pavão”

0

Dicionário do Pedro – 2 anos e 2 meses

Abí ou Abiú = abrir ou abriu

Chou = fechou

Bíí = subir

Bôô = acabou ou desligou

Caííu – caiu

Tau = tchau

Aquíí = aqui

Papaíí ou paíí = pai

Êça = cabeça

Pé = pé

Uixx = luz

Au Au = cachorro

Uke = Luke, cachorrinho da fisio

Cá ou caô = carro

ÍÍtzaa = pizza

Peppa = a porquinha mais famosa do momento! rs

Coqui = Doki, desenho da Discovery Kids

Gaíínha = galinha. Raro ele falar, mas sai de vez enquando.

Fusca = fusca

Dinca = dinda

Tiu = tio

Ôô = vô

Pi = Fellipe (irmão)

Tete = mamadeira

Algo parecido com “igada” = obrigada.

Záá = já

Quinco = cinco

Dai = dez

Zuul = azul

0

Feliz aniversário Pedro!

É dia de bolo, brigadeiro e guaraná!!

É dia de bolo, brigadeiro e guaraná!!

Pedro,

filho! Luz da minha vida! Hoje é o seu dia…dia que se repete todos os anos em forma de aniversário para lembrar a mim o presente que ganhei da vida. Você é riso, você é doçura, é parte de mim, é vida crescendo.

Na sua certidão de nascimento está escrito que eu te dei à luz, mas às vezes penso que foi você quem me trouxe LUZ!

Depois de você eu sou outra. Sou “mamãe”, seu colo. Às vezes o motivo da sua birra, outras seu consolo. Mas, uma coisa é fato: sou toda sua. Obrigada pela oportunidade de vivenciar a maternidade e estar ao seu lado nessa caminhada. Conte comigo que com muito orgulho aprendo a andar também.

Procuro palavras para desejar-lhes as melhores coisas da vida e declarar o amor que tenho por ti. Entretanto, por mais que me esforce, vejo meu empenho sendo ineficaz. Por isso, recorri aos grandes e colhi esse poema de Antero de Quental que diz um pouco do muito que eu gostaria te de dizer hoje.
Feliz 2 anos!
Te amo!
Com amor,

Mamãe.

…………………………………………………………………………………………………………………………………….

“Se há nesta vida um Deus para os acasos,
Que pela humanidade o bem reparte
Que te dê da fortuna a melhor parte
Que venturas te dê, sem lei nem prazos.

Eu, de alegrias tenho os olhos rasos
de lágrimas, ao vir brindar-te
Quando vejo que até para saudar-te,
As flores se debruçam sobre os vasos.

O meu brinde é sumário, curto e breve
Se o nome que se quer, quando se escreve
Move-se a pena com traços ideais.

Um anjo como tu, quando se brinda
Tem-se a missão cumprida e a festa finda
Quebra-se a taça e não se bebe mais”

“Soneto de Homenagem”, de Antero Quental

2

Fizemos aniversário!

cupcake

Em junho o ‘Querido Pedro’ fez um ano e eu esqueci de comentar por aqui. Que desalmada essa autora que vos escreve!!! rs

Em 07/06/13 eu comecei esse blog de maneira tímida e sem qualquer intenção de ser lida por tantas pessoas. O primeiro post que publiquei foi esse aqui sobre o preconceito e as mães solteiras. Curiosamente, esse é o segundo texto que mais recebe acessos durante a semana, sabiam? Isso me mostra que o assunto é de interesse de muitas mulheres e que, provavelmente, muitas ainda devam sofrer com esse estigma que minimiza a responsabilidade da parte masculina na gravidez + criação.

E vocês vão me perguntar: Mas, Bia, e qual é o post mais acessado? Depende. Se estivermos falando daquele que ainda hoje é acessado mais vezes durante a semana é o “Pressentimento, simpatia, sonho premonitório”. Mas, os que tiveram mais acessos durante esse primeiro ano foram “A rotina do hospital e as amigas que ganhei” e “A última batatinha do saco! Sobre conquistas e orgulho de mim mesma”.

Olhando os números do painel de controle do blog eu penso que o Pedro deve ser realmente muito querido. Pois, vejo como as pessoas gostam de saber sobre as conquistas dele, as novas palavrinhas, os aprendizados. Além disso, me espanta e alegra perceber que vocês continuam lendo o blog mesmo ele sendo tão pessoal com escritos basicamente sobre a infância do meu filho e dos meus desafios perante a maternidade.

De vez enquando recebo e-mail de pessoas que nem nos conhecem, mas se identificam com o histórico de prematuridade ou com o tema daquele post e deixam sua opinião. É muito gratificante essa troca e o feedback de leitura. Para mim o ‘Querido Pedro’ deixou de ser apenas um diário e um espaço onde eu desabafo sobre o lado B da maternidade.

Gosto de vir aqui entreter, divertir, refletir, emocionar (por que não?) vocês. Nesse meio tempo já fomos matéria no Terra e compartilhados dezenas de vezes em páginas do Facebook. Por isso, quero dizer: Obrigada!

Top 10 desse 1º ano!

1 – O mundo não está tão moderninho: mãe solteira ainda sofre preconceito

2 – Ser mãe é…

3 – Irmão…uma das coisas boas da vida

4 – Obrigada Tia T.

5 – Sobre tabefe gratuito e perigos que a gente nem imagina

6 – Colo, dar ou não dar. Eis a questão

7 –  A dois dias de completar um ano: o relato de parto

8 – Afinal, hoje é sexta! Yeah!

9 – Mãe da minha mãe. Minha avó. Bisavó do Pedro

10 – O primeiro ano de vida

 Extras: 770 gramasA primeira vez que te vi; A mamãe e o Queen

 

0

Aprendendo com as crianças

Eu sou muito feliz sendo mãe. O tempo todo? Não, of course. A maternidade tem um lado B bem grande. Mas, eu sou muito feliz por ter o Pedro como filho, por aprender tanto, por receber tanto amor dele e poder me doar. É sempre uma troca mútua e intensa a nossa relação de mãe e filho!

Penso muito sobre como ensinar, educar e, ao mesmo tempo, manter a espontaneidade do Pedro impondo limites. Oh, God! É desafio  para a vida toda. Acho que é uma eterna tentativa de acerto e erro. Vamos testando. Se dá certo ótimo! Se sai errado lá vamos nós queimar tutano para buscar uma nova forma.

Mas, a verdade que o dia a dia tem me mostrado é que os filhos ensinam muito ao pais. Talvez até mais. Quando temos filhos temos a chance de aprender tudo de novo, sabe? De ver a vida com outros olhos. De repensar se aquilo que temos como verdade absoluta é de fato nosso ou nos foi ensinado através dos anos.

Nesses quase dois anos de vidinha o Pedro me ensinou demais sobre paciência, resiliência, fé, amor, maternidade, responsabilidade, empoderamento, autoconfiança, humildade…tanta coisa. Mas, tanta. E ontem ele me ensinou mais.

Enquanto me afastava do portão da casa da minha sogra consegui ver o Pedro no colo do meu sogro. Acenei, mandei beijo, abanei as mãos fazendo tchau. De repente vi o rosto do Pedro se iluminar de alegria. Uma alegria esfuziante, uma animação expressada por sorrisos e bater de palmas. Foi então que percebi que ele olhava para o final da rua onde o caminhão de gás entrava tocando aquela musiquinha clássica conhecida por quem morou em bairros de periferia ou cidades pequenas.

Achei engraçada a cena. Dei risada do Pedro porque nunca vi alguém tão feliz com o caminhão do gás! Nem dona de casa com o almoço pela metade fica feliz daquele jeito! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Fui trabalhar com a lembrança dele sorrindo e batendo palminhas. Por fim, aprendi mais uma: a vida é muito mais leve quando damos valor as pequeníssimas coisas do cotidiano. Se você aprende a ser feliz nas situações simples, não precisa de um grande acontecimento para se sentir animado.

Ah, e o seu bom humor (ou a falta dele) pode contagiar os outros! #ficadica

carinhas

“Deleite-se no Senhor, e ele atenderá aos desejos do seu coração” – Salmos 37:4