0

Preferências do Pedro – Aos 20 meses

galinha

Comidas

Biscoito de polvilho, bolacha (todas!), carne vermelha, pão, abóbora japonesa, bolo caseiro. Está super seletivo com fruta. É preciso muita criatividade, bom humor e paciência para ele comer um pouquinho de fruta.

Bebidas

Suco de laranja lima, Toddynho, café…adora café!! Dou pouquíssimo antes que me recriminem rsrsrsrs

Doces

Chocolate e bolo de aniversário.

Para dormir

Cobertores macios de microfibra. Geralmente ele abraça ou segura uma parte até pegar no sono.

Para brincar

Carrinhos, livros, bola. Tem loucura por chave. Principalmente a do carro. Já tentamos dar outras, mas ele não se deixa enganar! rs

No banho

Adora brincar com os brinquedos de água, gosta de ficar sentado na banheira, dá gargalhada quando lavamos os pés o pescoço e as axilas

Desenho preferido

Peppa Pig

Músicas preferidas

O sapo não lava o pé, Corre cotia, Marcha soldado.

Começou a balbuciar, como se estivesse cantando, quando toca a música do Backyardigans, da Peppa e da Galinha Pintadinha. Chega a sair um “pó-pó” na parte “…A Galinha Pintadinha e o Galo Carijó. A galinha usa saia e o galo paletó. Pó pó pó pó…”

Aprendeu…

…a engatinhar. Vai para todos os lados! rs

…a apertar botões…do elevador, do controle remoto, do telefone…

…a falar mã-mã-mãe (mamãe), pá-pá-pá (papai), “uiiizz” (luz), “íítzzaaa (pizza), “ó” (para mostrar as coisas que acha interessante).

…as cores. Vermelho, azul, verde, amarelo. Pega os objetos das cores correspondentes quando solicitamos

…a apontar para pedir o que quer comer, beber.

…onde fica o nariz. Finalmente!!!! Ele sempre apontava a sobrancelha, a boca, o olho kkkkkkk

…a ficar sentado sozinho no carrinho (este aqui)

Diversos

Não gosta de ficar calçado

Adora passear. Se vê alguém chegando perto da porta já começa a gritar e engatinhar rápido. Tipo “Ei, volte aqui. Não me deixe para trás. Quero ir com você!”. kkkkkkkk

Viu um barco de verdade pela primeira vez

 

0

Uma alegria imensa: “Querido Pedro” no Portal Terra

Obrigada!

Obrigada!

Oi gente!

Hoje vim aqui para agradecer à Deus, aos amigos queridos que me leem, ao Pedro que é a principal inspiração para este blog existir! Estou super feliz pelo “Querido Pedro” ter virado matéria no canal Carinho do Portal Terra por meio das mãos do amigo de faculdade, Felipe Gierstajn.

A história do ‘Querido Pedro’ começou há um ano quando no auge da minha necessidade de lidar com o perrengue da prematuridade extrema do meu filho decidi escrever um blog para desabafar, internalizar problemas, colocar para fora as situações boas e ruins que estava vivendo. O empurrão decisivo foi dado por uma amiga querida que trabalhava comigo na época. Durante o almoço daquele dia eu tinha contado sobre os preconceitos que já tinha passado por ter sido mãe aos 25 anos, idade considerada inapropriada pela sociedade pelo jeito. Ela me disse: “Bia, por que você não faz um blog para contar essas experiências?”.

TCHAM! Aquela ideia que já era uma sementinha na minha cabeça ganhou terra e água e amor kkkkkkkkkkkkkkkkkk

E então, da minha história triste e difícil (até aquele momento) nasceu o blog que tanto me ajudou a passar por aquela fase. A velha história de fazer uma limonada, ou caipirinha, com os limões que a vida te dá! Hoje esse espaço é muito mais de textos alegres.

Infelizmente escrevo menos do que gostaria porque tenho trabalho, filho (olhe só…você nem sabia kkk), freelas, casa e marido para cuidar! Quando as coisas estão mais calmas consigo escrever mais….mas, tem épocas que “minha gente, não é mole não!”.

Enfim, se tem uma coisa gratificante para quem gosta de escrever é saber que tem um leitor do outro lado da tela refletindo sobre aquelas palavras que escolhemos, organizamos em frases e expressamos num discurso. Pode ser que o texto passe batido, gere discordância,  proporcione um momento agradável de leitura ou até de identificação. O que me instiga mesmo é causar uma reflexão, um pensamento, uma emoção.

Por isso, obrigada a todos que me leem! De fato, a vida tem sido muito mais de limonadas do que limões azedos!  😉

PS: Quem quiser dar uma espiada na matéria o link é esse aqui:

“Blog sobre bebê é ideia de mãe para criar recordação digital”

0

O reencontro

acampamento

Gente, eu disse ontem. Eu digo sempre. Eu vou dizer hoje: eles crescem rápido demais!!!! kkkkkkkkkkkkkkkkk

É sério!! Deixei o menino com cinco dentes (e meio) na avó na segunda-feira e ontem quando fui buscar (por causa da minha mega gripe lembram?) ele estava com sete, S-E-T-E dentes. Como assim?!?! Em três dias o dente que estava nascendo terminou de nascer e surgiu mais um. Enorme, aliás. Daqueles grandões da parte de baixo para mastigar churrasco!! rsrsrs

Enfim, nosso reencontro foi tragicômico e cheio de saudade, baba, abraços e gritinhos. Quando nos viu chegando ele paralisou de pé no berço e fez beicinho. Beicinho que ele faz só quando vai começar a chorar. E aí fica um mistério: o que ele pensou? “Buááá acabou minha mamata na casa da vovó” ou “Buááá apareceram né, seus tratantes?! Agora eu também não quero mais ir com vocês” ?

Bem, nunca saberemos o que foi esse beicinho! É melhor nem pensar muito sobre o assunto kkkkkkkkkkkkkk

Peguei ele no colo e esmaguei, beijei e disse o quanto estava com saudade. E ele? Ele fingiu que não era com ele. Eu insistindo desesperadamente para ver se meu filho ainda me amava como mãe continuei a aproximação e em poucos minutos ele estava gargalhando escandalosamente no meu colo enquanto eu brincava com ele. Fez carinho no meu rosto, mexeu nos meus brincos, apertou meu nariz. Ufaaaaaa kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk….acho que dessa vez serei perdoada!

Esses três dias de “separação forçada” me mostraram que Pedro já é quase um adolescente! O rapaz dorme fora de casa em cama alheia e não tem alteração de sono ou apetite, não dá piti de saudade e nem pede para ligar para mãe. É minha gente…

Delícia de filho que eu tenho! rs

 

0

Pedro aos 19 meses

Outro dia eu comentava com uma amiga que está nos EUA cuidando de gêmeos (uma menina e um menino) o quanto essas crianças crescem rápido. Eu só falo isso? Sei que costumo falar disso aqui no blog com bastante frequência, mas gente: é a mais pura verdade. Um dia estão na sua barriga, no outro já estão andando por aí e abanando a cabeça em sinal negativo quando você pede para eles fazerem alguma coisa. Ai ai ai…ele nem fala e já me diz que não! #medodaadolescencia

Semana passada eu escrevi sobre o início do falatório lá em casa. Daquele dia até hoje não tivemos novidades no vocabulário. Em compensação nas gracinhas…

Hoje pela manhã fizemos todo o ritual de troca fralda, põe soro no nariz, escova o dente, lava o rosto e penteia o cabelo. Daí nesse momento eu lembrei do meu afilhado, na época com uns 11 meses mais ou menos, sentado no trocador e penteando o cabelo (do modo dele, claro). Eu, que ando empenhada em dar mais autonomia ao Pedro, coloquei a escovinha na mão dele e levei o bracinho até a cabeça fazendo o movimento de pentear. “Isso, filho. Penteia o cabelo”. Repeti a ação mais duas vezes. Na terceira vez deixei por conta dele. “Filho, penteia o cabelo”. E ele fez sozinho!!!! Ahhhhhh….o orgulho materno é algo lindo de sentir!

Depois fiz ele repetir para o pai mais três vezes…é claro! Afinal, a gente ensina e depois quer mostrar para todo mundo. #tadinho #maenaoenche kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Desde a semana passada Pedro também começou a dar tchau e a esfregar a barriguinha quando dizemos “Pedro, como lava a barriga?”.

No domingo enquanto estávamos na sala ele resmungava bravo no chão porque não conseguia abrir o livro sozinho. O pai, sentado no sofá, disse “Traz aqui, filho. Papai ajuda você”. Mais do que depressa Pedro começou a se arrastar e a arrastar o livro em direção ao sofá até chegar ao alcance do pai que repetiu o movimento de abrir e fechar o livro para o Pequeno.

Fofo…muito fofo. Mas, é mais que isso. É perceber que ele entende perfeitamente o que dizemos a ele. É ver que a cognição está funcionando muito bem…questão que nos preocupou por um tempo quando ainda éramos assombrados pelas possíveis sequelas da prematuridade extrema.

Agora dei por mim que algumas pessoas devem estar lendo e me achando boba por estar tão encantada com essas atitudes do meu filho. Mas, estou. Estou cada dia mais, aliás. Se tem uma coisa que vale a pena em ter filho é ver o crescimento dele, seus aprendizados, suas descobertas, as carinhas de surpresa e de “uuuaauuuu que incrível isso aqui”. Nesses quase 30 anos, poucas coisas e pessoas me emocionaram como (ou mais) do que ver essas pequenas conquistas do Pedro.

É maravilhoso acompanhar esse crescimento, o desenvolvimento dele de bebê para criança. As vezes fico um tempão observando ele brincar e me divirto vendo como ele resolve “os problemas” práticos. Engraçado perceber o quão complexos são esses aprendizados básicos como andar, levar o talher a boca, empilhar, encaixar, saber onde é a barriga, entender o que é pentear o cabelo…

É demais perceber o quanto eles aprendem e como aprendem rápido. Eu repito o movimento três, quatro vezes e lá está o Pedro imitando. Ele está uma verdadeira máquina de imitação. Uma graça. Um mocinho que agora aponta aquele mini dedo indicador para mostrar o que quer e que faz tchau balançando o braço todo. Como eu disse, um fofo esse meu filho! kkkkkkkkkkkk

#maebabona #maecoruja

motoca3

 

 

1

O que o Baby George tem de parecido com os nossos filhos?

Hoje eu ía postar um texto bem sério sobre como foi a minha péssima experiência da última quinta-feira quando fui assalta. Mil reflexões, desabafos e reclamações inflamadas. Mas, daí gente que eu vi isso aqui e mudei de ideia sem nem pestanejar.

É um gif postado em uma página que está fazendo sucesso nas redes sociais, a Baby George te despreza. Já viram?

Bem, eu decidi postar porque me identifiquei na cena da família real (temos sangue azul lá em casa cof cof cof kkkkkkkk). Brincadeiras a parte, eu identifiquei uma família comum com problemas materno/infantil bem parecidos com os nossos.

Observe bem a cena. O pai (príncipe William) balança o filho que já aparenta estar impaciente.Sabe aquela balançada de quando você não tem outra outra escolha e precisa ficar onde está, mas o bebê já dá os primeiros sinais de impaciência e você balança para ver se ele se distrai?!

Então, príncipe William tá lá dando essa balançada na cria enquanto a mãe (Kate Middleton) toda lady/simpática/educada tenta prestar atenção no senhor que fala com eles. É claro que ela não está ouvindo nada. Ela está tensa igualzinha a você quando abana a cabeça em sinal de positivo enquanto pensa “Ele nunca vai parar de falar? O George (substitua pelo nome do seu filho(a)) já está cansado e vai começar a chorar em segundos”.

Buscando “desesperada” por uma saída perante o choro iminente ela lembra do ursinho que está em suas mãos e dá ao George pensando “Ah, ele vai se entreter com o brinquedo enquanto a gente termina isso aqui”. Ela o entrega e o pequeno George faz o que???? O mesmo que os nossos filhos: ele atira o brinquedo no chão daquele jeito malcriado que nos enche de vergonha. HAHAHAHAHAHAHA…

Enfim, filhos! Os da realeza ou os nossos…todos precisam ser educados. Ainda bem.

0

Obrigada tia T.

Filho,

quando eu era pequena, uns 3 ou 4 anos, eu tinha uma professora de quem eu gostava muito. O nome dela era Jojô. Embora ela desse atenção para todos os meus coleguinhas de sala, nós tínhamos uma ligação diferente. Eu a adorava e ela em troca também me dava uma atenção especial.

Tenho pouquíssimas lembranças dela já que era bem pequena, mas curiosamente quando lembro desses momentos sou invadida por um carinho imenso. As boas vivências que tive naquele tempo ficaram gravadas no meu inconsciente e obviamente no meu coração.

A escolinha que eu frequentava na época tinha uma metodologia bem interessante. Seria pedagogia Waldorf, Motessoriana, Construtivista ou a simplicidade de escolinha básica? Não sei precisar (será que minha mãe lembra?). Mas, me lembro dos dias que passava no parquinho fazendo bolinha de sabão de cima da casinha de madeira, das rodas de atividades, das colagens, dos preguinhos onde pendurávamos nossas mochilas e lancheiras…

Outra memória marcante é de que houve uma época de visita à casa dos amigos. Não sei a periodicidade, mas de vez enquando a turminha toda visitava a casa de um amigo. Imagine a animação: comer na casa do coleguinha, conhecer seu quarto e seus animais de estimação, seus brinquedos e todo o universo de fora da escola.

Então um dia (não me lembro do motivo ou se o motivo foi apenas o carinho) minha professora Jojô me levou para conhecer a casa dela. Ela tinha um cachorro lindo de pelos dourados e rabo comprido chamado Mel. O tapete da sala era daqueles peludinhos que estava na moda na época (preocupação com rinite é coisa recente, gente). E lembro de ter lanchado sanduíche no pão de forma cortado em forma de triângulo! Foi sem dúvida um momento de profunda diversão e carinho. Tanto que eu me lembro até hoje após quase três décadas.

Tô contando essa história filho porque há poucos dias foi a sua vez de viver uma história parecida com essa em que o amor e a dedicação profissional foram quesitos maiores do que o retorno financeiro.

A convite da sua fisio T. fomos a casa dela para uma sessão na piscina (hidroterapia) que é uma excelente opção para o seu tratamento motor. Fomos recebidos com muito carinho pela tia T. e por toda a família que estava presente quando chegamos. A princípio você ficou sério e interessado em olhar o espaço. Mas, isso foi só até o Luke aparecer. O Luke é o cachorrinho da tia T. Você ficou encantado, filho. Olhou, sorriu, gritou, passou a mão e até beliscou (vergonha kkkk).

"Mãããeee, vamos entrar!"

“Mãããeee, vamos entrar!”

Pouco depois fomos para piscina e você, que ama água, ficou eufórico para entrar.Olhe essa foto. Não preciso explicar nada. Você brincou, brincou, brincou….até que cansou e começou a ficar choroso. Te dei banho e depois você se entregou ao sono todo relaxadão no colo da tia T.

Tudo isso aconteceu em três horas, filho. Mas, foram horas em que observei tudo com muita calma para poder te contar depois. Pra te dizer que você é querido por muitos e há seis meses também pela sua tia T. que acredita na sua capacidade e põe carinho e dedicação em cada alongamento, estímulo, posição. O que ela te dá vai muito além de uma simples terapia e, por isso talvez, você goste tanto quando a vê na porta de casa.

Por fim, queria lhe dizer que não é necessário/obrigatório/vital ter amor em tudo na nossa vida. A gente consegue levar os dias sem ele, mas não sem ficar um pouco mal humorado, ranzinza com coisas pequenas e um sem graça solitário. Você vai ter tempo para experimentar isso e eu espero que sua escolha seja sempre o de deixar a vida leve.

Pedro, aproveite todo o amor que recebe. Brinque com o Luke como eu brinquei com o Mel. Curta a sua tia T. como eu curti a minha Jojô.

………………………………..
Tia T.

Obrigada por todo carinho e empenho que tem com o Pedro. Eu sou realmente grata por todas as evoluções dele e por você acreditar e trabalhar os potenciais dele respeitando o tempo e as restrições motoras. Parabéns pelo profissionalismo e respeito, eu sei que não somos apenas cifrões!

Beijos,

Bia e Pedro.