1

Um ano de uma vida toda

Já faz um ano que eu passei pela experiência mais forte e chocante da minha vida. Sem exagero. Simples e seco assim. 17 de outubro de 2012…….17 de outubro de 2013.

Há um ano eu me senti mal no trabalho, internei, passei a noite no hospital, minha bolsa rompeu pela manhã e veio a cesárea de emergência. 25 semanas de gestação. Bebezico de 770 gramas. 29,5 cm. Meu Pedro chegou!

Quão bipolar é a vida que nos surpreende com momentos miscigenados de alegria e tristeza. O cérebro chega a fritar: sorrir de nervoso e chorar de alegria. Vivi uma montanha-russa de emoções até agora. No tempo de UTI, e um pouco depois dela, chorei todas as lágrimas que tinha em mim. Descobri uma força para suportar o sofrimento que nem sabia que tinha. Redescobri minha fé. Deixei para trás parte do que tinha virado habitual até ali.

Perdi e ganhei. Ganhei muito. Ganhei um coração que bate fora de mim, conheci o amor incondicional, gerei vida, cheirei bebê, acompanhei descobertas de criança, presenciei fofurices sem fim, revi conceitos, mudei atitudes, redescobri habilidades, relembrei músicas da infância, ganhei uma cicatriz (ou algumas), aprendi a pedir ajuda, aumentei minha fé…

Lá pelo segundo mês de UTI me lembro de pensar “Quando sairmos daqui os dias serão tão diferentes, as memórias ficarão tão distantes, que quase não vou me lembrar daqui”. E assim foi. Hoje quando lembro chego a duvidar de mim mesma e me espanto a constatar que nós passamos por tudo aquilo. Caramba, parece história de filme de drama. Mas, sim nós realmente vivemos aquele roteiro.

Envelheci bem mais que um ano em 365 dias…quanto a isso não há dúvida. Vivenciei o clichê do “amadurecer a força”. Não que antes eu fosse uma insensata, nem tão pouco uma fútil. Nada disso. Tô falando de amadurecimento interno, de reforma interior, de mudança obrigatória nas atitudes e de resiliência.

Quando temos um filho, renascemos com ele. Nunca mais seremos como antes. Demorei a entender isso e acho que ainda não aceitei totalmente a ideia. Porém, olho para o rosto do Pedro e penso que não poderia mais viver sem ele. Hoje ele faz parte de mim.

Esse é o primeiro ano de uma vida toda…ainda bem!

Te amo!

Anúncios